Entre Visita e Saudade – Juliano Moreno


36ª Coxilha Nativista – Cruz Alta – RS – 2016.

ENTRE VISITA E SAUDADE

Letra: Diego Guterres
Música: Diego Guterres
Intérprete: Juliano Moreno

Ficou a imagem do aceno da cola
de um mouro troteando ao compasso do adeus…
Ficou a ferida, na tela dos olhos,
do amigo sumindo entre sal, campo e breu…

Ficaram pelegos dormindo nos bancos,
e a voz de “Stá cedo!” nas sombras em jogo…
Ficaram ausências no mate em recosto,
palavras dançando nas língas do fogo…

“A culpa é das horas, que regram a vida,
impondo partidas, dolentes abraços!
(Depois na saudade dos nossos amigos,
ponteiros machucam – parece castigo –
girando tão lentos num árduo compasso!)”

É bom estar junto de quem se quer bem
(a alma se aquece e também se ilumina),
razão da promessa de outra visita
p’ra o fim da conversa que nunca termina.

Um dia, os ponteiros serão o anúncio
da eterna saudade… do último adeus.
Por isso é que sempre, se a vida é incerta,
sou tão transparente do amor pelos meus!

“A culpa é das horas, que regram a vida,
impondo partidas, gretando alegrias!
(Pois somos escravos de austeros ponteiros,
que castram sorrisos, momentos fagueiros,
nos punem saudade e não dão anistia.)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s